trem-anima

 

2304A CBTU Belo Horizonte ajuizou, nesta segunda (22/6), ação cautelar que solicita ao Tribunal Regional do Trabalho a garantia de uma escala que minimize os efeitos da paralisação anunciada pelo Sindicato dos Metroviários de Belo Horizonte (SINDIMETRO-MG), com início previsto a partir da 0h da próxima quarta-feira (24/6).

Considerando o caráter essencial dos serviços prestados pelo Metrô, bem como o fato de que o sistema já vem operando em escala reduzida, das 5h40 às 20h, a Superintendência promoveu reunião com a diretoria do Sindimetro, na tarde desta segunda (22/6), após tratativas não chegou-se a um consenso, o sindicato optou pela manutenção do movimento.

A CBTU-BH reafirma que desde o surgimento dos primeiros casos de Covid-19 no país, a Companhia vem trabalhando em favor da proteção e da segurança de seus empregados e dos milhares de usuários que circulam pelo sistema diariamente. O rol de medidas já implementadas pela CBTU-BH envolve um abrangente conjunto de ações, entre as quais: implementação de programa horário especial com escala reduzida, operação com trens acoplados (que dobram a oferta de lugares e favorecem o distanciamento social), distribuição de EPIs e insumos de proteção para colaboradores, higienização de estações com pulverizadores e produtos químicos específicos para desinfecção, qualificação de empregados próprios e terceirizados, demarcação de piso em estações para evitar aglomeração, revisão de procedimentos para o atendimento a grupos vulneráveis, afastamento de empregados inseridos em grupos de risco, adoção de escalas de revezamento, implantação do trabalho remoto, entre outras iniciativas de proteção ao trabalhador e de enfrentamento à pandemia.

Ciente de sua responsabilidade legal para com todos os públicos, desde 21 de março a CBTU-BH vem buscando ajustar suas operações às demandas da cidade. Em 25 de maio, com a publicação do Decreto Municipal que determinou a reabertura gradual do comércio e o retorno escalonado das atividades de milhares de trabalhadores que dependem do transporte sobre trilhos, a necessidade de ampliação da operação do metrô tornou-se evidente para garantir a mobilidade de todos os mineiros.

Por ora, a Companhia busca junto ao Tribunal medida cautelar que preserve a operação nos moldes atuais, ou seja, com trens circulando, das 5h40 às 20h, permanecendo em atividade quantos trabalhadores forem necessários para o cumprimento da ordem.

A Companhia segue aguardando a manifestação do TRT/MG quanto à medida cautelar interposta.