Imprimir

CCOAlternativo TráfegoSimplificadoA série “Por Trás dos Trilhos” desta semana apresenta o Centro de Controle Operacional Alternativo (CCO Alternativo), software que foi desenvolvido para auxiliar as atividades e o gerenciamento da Operação do Sistema de Transporte Sobre Trilhos da Superintendência de Belo Horizonte.

Desenvolvido em 2014 e implantado em 2015, o CCO Alternativo possui várias funções e muitos recursos lhe foram agregados ao longo do tempo. Com a ferramenta, os funcionários que trabalham no Centro de Controle Operacional conseguem visualizar em tempo real a circulação dos trens nas vias, planejar as viagens de acordo com o programa horário, assinalar quando um trem transporta deficientes visuais ou passageiros com dificuldade de locomoção, acompanhar o sistema de sinalização das vias, responsável pela segurança da operação, emitir automaticamente alertas sonoros educativos e operacionais nas estações, dentre outros controles.

Com a implantação do Firewall (dispositivo de segurança que monitora o tráfego de rede) e a ligação do software com a Rede Administrativa, feita pela Coordenação Operacional de Informática, é possível atender necessidades de vários setores da empresa, inclusive contemplar, em tempo real, o relatório de dados da operação. Atualmente, o CCO Alternativo está na sua sexta versão. 

Inovação: para o assistente operacional da Gerência de Planejamento e Controle Operacional e idealizador do programa, José Geraldo, a criação do sistema agilizou e mudou a forma como o CCO trabalha: “O projeto do CCO Alternativo surgiu da ideia de propiciar ao Centro de Controle Operacional funções e recursos adicionais para o Controle de Tráfego e o Controle de Energia do metrô de BH. Os antigos painéis de tráfego e energia e a mesa de comando de rotas foram substituídos em 2008. O CCO conta hoje com computadores mais modernos, com telas e painéis de LED”.

Novas atualizações para o sistema já estão sendo projetadas, mas certo é que o programa atendeu as expectativas, beneficiou as estações, os empregados, e, principalmente, os usuários do metrô.