trem-anima

 

Uma jóia rara, patrimônio histórico e cultural, um trem fabricado em 1929, a Maria Fumaça,  de origem alemã, conforme está comprovado na placa de ferro exposta na carroçaria, é movida a madeira, e pertencia aos proprietários da Usina Utinga Leão, em Rio Largo, Alagoas. Adquirida pela CBTU em 2008, a locomotiva, aos 92 anos, vai se transformar num Trem Turístico.

180421b

Maria Fumaça exposta na estação Maceió. Créditos: Edilson Omena

As viagens, que originalmente eram para transporte de material pesado das usinas, hoje poderão ser uma forma de aproveitar as belas  paisagens que margeiam as linhas férreas na região metropolitana de Maceió, saboreando as belezas naturais e o clima bucólico de Rio Largo, um município que conta com um importante patrimônio arquitetônico de séculos passados.

Por algum tempo, a Maria Fumaça enriqueceu a paisagem da cidade de Piranhas, à beira do Rio São Francisco. Nos últimos anos, voltou para a sede da CBTU para passar por um processo de manutenção, conservação e reforma para se transformar na principal estrela do projeto do Trem Turístico da CBTU Maceió.  

180421a

Maria Fumaça exposta na estação Maceió. Créditos: Edilson Omena

O Trem Turístico tem capacidade para transportar 52 pessoas sentadas. Os bancos são de ferro, originais do período de fabricação da Maria Fumaça. O carro está sendo transformado numa Jardineira. Cada peça que necessita de reparo ou troca, é produzida artesanalmente pelos próprios técnicos da CBTU. Não há reposição em lojas e fábricas devido ao tempo de fabricação. Tudo exige muito cuidado, criatividade, envolvimento e o reconhecimento de que a CBTU tem em seu acervo uma relíquia histórica.

180421c

Maria Fumaça iniciando testes de circulação no Domingo. Créditos: COMAN

O percurso previsto para o trajeto turístico será do bairro Bebedouro até a Estação Utinga, onde se localiza o Instituto de Preservação da Mata Atlântica, o qual deverá fazer parte do roteiro.  O projeto pretende envolver em parcerias o trade turístico, as prefeituras, as escolas públicas e particulares, ONGs e entidades ambientais sediadas pelo caminho.  

180421f

Supervisor de Manutenção Gouveia posa na Maria Fumaça. Créditos: Edilson Omena

Os maquinistas da Maria Fumaça são empregados da CBTU os quais estão passando por treinamento para conduzir locomotivas.   Um dos mais antigos e experientes, que conhece e viveu parte da história da Maria Fumaça,  é o Kreslerson Carlson Alves de Gouveia, maquinista, há 19 anos. Para Gouveia, “é uma honra conduzir a Maria Fumaça novamente. Ela é uma raridade, uma máquina complexa, como uma alma feminina, exige muito conhecimento, carinho, respeito e amor para obter o melhor resultado”, conta.

A proposta da Maria Fumaça como Trem Turístico deve ser apresentada à Prefeitura de Maceió e de Rio Largo, bem como ao Sebrae, e outras entidades logo que a pandemia da Covid-19 estiver controlada, explica o superintendente Carlos Jorge.  



Atrativos 

O projeto visa oferecer atrativos históricos-culturais, de forma lúdica, que valorizem Maceió e regiões circunvizinhas. A capital de Alagoas, como um dos principais destinos turísticos do Nordeste, só tem a ganhar com mais um importante atrativo histórico, cultural e turístico, oferecendo uma programação além de sol e mar. 

O Trem Turístico potencializa o sistema ferroviário como um corredor cultural e valoriza a beleza arquitetônica de diversos equipamentos públicos a exemplo da estação Fernão Velho, um dos mais importantes pólos artístico e cultural às margens da belíssima lagoa de Mundaú, na qual há uma das poucas reservas de Mata Atlântica existentes. A estação ferroviária de Fernão Velho é uma das pérolas do lugar, por sua preservação arquitetônica e pela simbologia que tem na história da cidade. Tudo isso, pode ser transformado em aula vivencial para alunos das redes pública e privada, conforme defende o superintendente de Trens de Maceió.

A Maria Fumaça está em fase final de reforma. A próxima etapa será a elaboração de um plano de negócios para viabilizar a operação do Trem Turístico.  

 

 

 Maceió, 18 de abril de 2021.

Ana Cristina de M. Sampaio

Assessoria de Comunicação 

 

COMAK