trem-anima

 

2020 está sendo um ano bastante desafiador para toda a sociedade. A pandemia do novo coronavírus trouxe consigo muitas incertezas, além de mudanças abruptas nas rotinas de trabalho, as quais passaram a contar com novos formatos de interação além de adoção de medidas de proteção individuais e coletivas. Apesar dos desafios, a CBTU conseguiu cumprir sua missão de transportar pessoas com segurança tanto para os metroviários quanto para os passageiros. A Gerência de Comunicação e Marketing (GOMAK) conversou com os gestores da CBTU Recife, para entender melhor como cada área vem lidando com a pandemia. O resultado é uma série de matérias e a primeira delas, com a atuação do setor de Recursos Humanos, você pode conferir abaixo:

O RH durante a pandemia

100920a

Durante a pandemia do coronavírus, assim como outras áreas da CBTU, o setor de Recursos Humanos da Companhia teve de enfrentar algumas adversidades. Para proporcionar um ambiente de trabalho seguro, o RH elaborou um plano de enfrentamento para a COVID-19 para identificar as melhores medidas e decisões a serem tomadas, adquirindo os materiais de proteção, implementando protocolos de funcionamento e monitorando os casos de COVID na empresa. Segundo a gerente operacional de recursos humanos, Vanessa Vieira, atualmente a CBTU Recife possui pouquíssimos casos confirmados, o que demonstra que as medidas de prevenção vêm se mostrando eficazes.

“A principal dificuldade enfrentada foi lidar com a incerteza do momento e o desconhecimento da doença, estes fatos impediam a realização do planejamento adequado”, afirma Vanessa. Segundo ela, para superar esse desafio e lidar com o medo dos empregados pelo contágio e com a necessidade de continuar a prestação de serviço da CBTU, a organização e a cooperação do trabalho em equipe têm sido essenciais. “Os gestores tiveram papel imprescindível na motivação de todos e na responsabilidade que temos com a população que necessitava utilizar o transporte público. Assim, devido a continuidade da atividade da STU, o RH, principalmente a COASS e COSET, precisaram se reinventar para atender da melhor forma os anseios da empresa”, explica.  

Dentro deste contexto, todos precisaram se adaptar à nova rotina de trabalho, sendo ele remoto ou pela escala diferente do que habitualmente trabalhava. “Apesar da resistência por parte dos empregados e das limitações tecnológicas por parte da Companhia, temos tentado modernizar nossos processos tornando-os mais digitais e menos físicos, reduzindo, inclusive, o consumo de papel", afirma a gerente operacional.