trem-anima

 

301122a

Neste mês de novembro, o trabalho de investigação do Grupo de Inteligência Ferroviária da CBTU Recife foi o responsável pela prisão em flagrante de meliantes em três casos diferentes de furto de material da via-férrea da Linha Diesel do Metrô. O grupo de Inteligência Ferroviária é formado pelos empregados Edvando Lopes, Alysson Oliveira, Ferreira Júnior, José Ângelo e pela gerente operacional Vanice Andrade.

Segundo o segurança ferroviário, Ferreira Júnior, depois de uma denúncia da comunidade sobre o furto de areia da linha férrea entre as estações Ângelo de Souza e Pontezinha, uma equipe da Inteligência foi ao local e constatou a existência de uma cratera a apenas 3 metros de distância dos trilhos. Foi montada uma campana, e no dia 9 de novembro, foram presos em flagrante delito dois homens que chegaram ao local em carroças e começaram a retirar areia da via. Além do furto, os homens também foram enquadrados no crime previsto em lei de “dar causa a possível acidente ferroviário”.

Na mesma época, a Inteligência Ferroviária desarticulou uma quadrilha que furtou areia da via-férrea a pedido e com pagamento feito por um dono de armazém de construção local. A investigação deste caso foi feita em conjunto com a delegacia de Cavaleiro e foram presos 3 homens pelo furto, além do dono do armazém em questão, pelo crime de receptação.

301122b

Já no último dia 17 de novembro, uma quadrilha que furtou trilhos da duplicação da Linha Diesel no trecho Cajueiro Seco/Cabo, foi presa em flagrante delito. Quatro homens foram pegos no momento em que retiravam trilhos que já haviam sido cortados por solda. “Essa quadrilha era bem articulada. Havia o momento em que eles soltavam os parafusos dos trilhos, havia um segundo momento em que se cortavam os trilhos, e por fim, havia o momento em que um carro ia ao local retirar os trilhos cortados”, explica o integrante do Grupo de Inteligência, Ferreira Júnior.

Cada metro de trilho furtado na linha possui 45Kg de ferro. Cada trilho tem 12 metros de cumprimento. Eles faziam cortes de 2 metros cada para facilitar o transporte.