trem-anima

 

2377A CBTU Belo Horizonte e o SEST-SENAT promoveram, na última semana, treinamento teórico e prático para atualização da Norma Regulamentadora Nº 35. A capacitação organizada pela Coordenação de Desenvolvimento em Recursos Humanos foi especialmente dirigida aos empregados da Coordenação Operacional de Projetos e contou com uma carga horária de 8h/aula.

A NR 35 estabelece os requisitos mínimos de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução de rotinas em áreas de risco. No treinamento foram apresentados os principais conceitos da norma e dos regulamentos aplicáveis, bem como aspectos ligados à análise de risco e condições impeditivas, riscos potenciais inerentes ao trabalho em altura, medidas de prevenção e controle, sistemas, equipamentos e procedimentos de proteção coletiva, acidentes típicos, condutas requeridas para situações de emergência, noções de técnicas de resgate e de primeiros socorros, entre outros temas correlatos. 

Segundo a coordenadora de projetos, Denise de Miranda, o treinamento teórico e prático da Norma Regulamentadora Nº 35 é de extrema importância para a segurança dos empregados que realizam trabalhos em altura e a capacitação contínua é a melhor maneira de garantir que todo o grupo esteja em dia com as atualizações da norma.  “Durante o curso, foram demonstrados como montar estruturas de proteção coletiva, incluindo guarda-corpos, sistemas limitadores de queda e de ancoragem, bem como a forma de utilização dos equipamentos de proteção individual, como cintos de segurança tipo paraquedista, talabarte e trava-quedas. Também foi realizada uma abordagem essencial sobre a importância da emissão da Permissão de Trabalho, por parte da empresa, para as pessoas habilitadas e autorizadas a executar trabalhos em altura”, pontua.

Diretrizes para o empregado: A NR 35 estabelece todos os requisitos necessários para a realização de trabalhos em altura superior a 2 metros e pontua que o empregado deve colaborar com o empregador na implementação dos procedimentos e, sobretudo, zelar pela sua própria segurança e saúde, bem como pela integridade das demais pessoas que possam ser afetadas por suas ações ou pela omissões no que se refere ao cumprimento da norma no ambiente de trabalho.